terça-feira, 16 de setembro de 2014

HISTÓRIA DA VEMAG (INCLUINDO CADASTRO NACIONAL DE VEMAGUET)


A alemã DKW foi fundada em 1916 pelo dinamarquês Jorge Skafte Rasmussen, e começou produzindo os "carros de energia a vapor" - ou "Dampf Kraft Wagen". Daí se originou a sigla DKW...
Anos mais tarde desenvolveu um motor de 2 tempos que ficou conhecido como “Das Kleine Wunder”, que significa “A Pequena Maravilha”. 
Em 1931 a DKW lançou seu primeiro automóvel movido a gasolina: o FRONT - com motor 2 tempos e tração dianteira.  
Na esteira da grande depressão de 1930, a DKW acabou associando-se à AUDI, HORCH e WANDERER em 1932, formando a conhecida AUTO UNION, cujo símbolo são 4 argolas entrelaçadas, atualmente utilizado pela AUDI. 
A argola mais à esquerda representa a Audi; a segunda representa a DKW; a terceira a Horch e a da extremidade direita representa a Wanderer. As 4 empresas continuaram razoavelmente autônomas logo após a fusão, inclusive utilizando suas próprias marcas comerciais. Quando a DKW passou a fazer parte da Auto Union, seus símbolos sempre apareceram juntos.
Em 1945 foi fundada a Distribuidora de Automóveis Studebaker, no bairro do Ipiranga/SP. Ela montava carros de passeio, caminhões e tratores das marcas Studebaker, Scania-Vabis, Kenworth, Massey-Harris e Ferguson. 
Em 1952, com a importação de automóveis e caminhões começando a ser restringida em face da grave crise cambial do Governo Vargas e, também, pela crise financeira por que passava a Studebaker nos EUA, a Distribuidora de Automóveis Studebaker e a empresa ELIT – Equipamentos para Lavoura e Máquinas Agrícolas (que também importava os Massey canadenses) se fundiram e deram origem à VEMAG – “Veículos e Máquinas Agrícolas S/A”.
PRIMEIRO CARRO NACIONAL
Pelos critérios da GEIA (Grupo Executivo da Indústria Automobilística), o Romi-Isetta não foi considerado um “carro” porque só tinha uma porta (dianteira) e 2 lugares. 
Assim, em 19/11/1956 coube à VEMAG a primazia de lançar o primeiro veículo nacional, o DKW-VEMAG UNIVERSAL, baseada na perua Sonderklasse Kombiwagen Universal F-91 (fabricada na Alemanha de 1953 a 1955). 

 CLIQUE NAS FOTOS ABAIXO PARA AMPLIÁ-LAS
De 1956 até meados de 1959 foi usado um motor de 896cc e 38 cv de potência pela norma DIN (alemã). Depois passou a 981cc e 44 cv (mas aí a fábrica divulgava a potência como 50 HP (sistema SAE, americano)...
A transmissão e a suspensão da F-91 eram alemãs, mas o índice de nacionalização do carro era de incríveis 54,3%. A grade do motor ajudou a dar-lhe o apelido de “risadinha” (o Toyota Etios, lançado em 2012, deve ter buscado inspiração nela...). A 1ª marcha não era sincronizada. As lanternas traseiras eram pequenas e redondas. A porta traseira era repartida ao meio no sentido vertical. 
Em 1957 essa camioneta sofreu pequenas alterações, como o desenho das portas traseiras, que abriam verticalmente para os lados e passaram a abrir horizontalmente em duas folhas, uma delas abrindo-se para cima e a outra, para baixo.

Em 1958 a VEMAG passou a fabricar um sedan e uma camioneta baseados na família F-94, mais moderna que a F-91. 
No segundo semestre a perua “DKW-Vemag Universal” deu vez a uma camioneta mais moderna (ao lado), derivada do F-94 alemão, com grande índice de nacionalização. Inicialmente se chamou “DKW-VEMAG” e, a exemplo do sedã, era equipada com um motor de 900 cm³. 

A partir de 1959 a Vemag adotou um "motor 1000" mais potente, com exatos 981cc e 44 cv de potência (ou 50 HP), em substituição ao antigo, de 896cc e 38 cv.

Em 1960 as rodas do sedã e da perua passaram a ter oito furos, já que os freios são bastante exigidos, em parte pelo uso da roda-livre. Os automóveis da Vemag foram também os primeiros carros brasileiros a receber sincronização nas 4 marchas, em 1960.
Abaixo, o modelo 1960:

Em 1961 a perua “DKW-Vemag" foi renomeada como VEMAGUET. Os para-choques foram modificados e ficaram mais eficientes e elegantes, e o modelo ganhou novas calotas. 

Abaixo, o modelo 1961:


Em 1962 a Vemaguet passou a usar as lanternas traseiras na horizontal e perdeu os frisos da tampa do porta-malas. 
Ela deu origem a uma versão popular chamada CAIÇARA, cuja porta traseira abria lateralmente e tinha lanternas ainda na antiga posição vertical. O para-choque traseiro era o antigo bi-partido e o dianteiro era o mesmo usado até 1960.  Era despida de frisos e forrações internas. A CAIÇARA foi comercializada em apenas 2 opções de cores: bege e azul claro, com o acabamento interior em plástico vermelho. O mercado rejeitou a Caiçara (apenas 1.173 compradores, contra 16 mil Vemaguets). 

No mesmo ano a Vemag tinha projetado o FURGOMAG (foto à direita), sem janelas e sem o banco traseiro, mas a proposta acabou sendo enngavetada. 
Interessante observar que o mercado de caminhonetes compactas só surgiria dezoito anos mais tarde, com o Fiat Fiorino...
Em 1963 a Vemag planejou vender carros na Europa, mas não deu certo. A recusa da AUTO UNION em prestar auxílio financeiro fez com que a Vemag decidisse retirar os “4 círculos” do logo frontal, sobre o capô do motor. 

Em 1964 a 2ª série da perua Vemaguet (e também do sedan Belcar) passou a se chamar "1001", e ficou marcada por alterar o sentido de abertura das portas dianteiras, que deixaram de ser "suicidas", passando a abrir para trás. Mais funcionais, porém menos "charmosas".
O estilo de pintura "saia-e-blusa" deixou definitivamente de ser oferecido. 



Com o Brasil em crise política e econômica, a Vemag relançou uma Vemaguet popular, agora renomeada como PRACINHA e com financiamento especial da Caixa Econômica Federal. 
Ao contrário da Caiçara, a porta traseira abria como o da Vemaguet “normal”.

Em 1965 o Lubrimat (mecanismo que misturava automaticamente o óleo à gasolina – com 1 litro de óleo podia-se rodar até 1.000 Km) passou a ser item de série em toda a linha de veículos. A “Caiçara” ressuscitou apenas para dar origem a 99 unidades, contra 624 Pracinhas – provavelmente para desovar peças em estoque. Foi lançada a linha "Rio", em homenagem à então capital federal, que aniversariava.


Em maio de 1966 foi lançado o Belcar e a Vemaguet “S” (ambos com motor de 60 HP, do Fissore). A Pracinha deixou de ser produzida. No fim do ano foi lançada a renovada linha 1967 com faróis duplos na dianteira do Belcar e da Vemaguet, nova grade dianteira e novos para-choques.  A Vemaguet ganhou lanternas traseiras maiores e envolventes (também aplicadas no Fissore).
O sistema elétrico de toda a linha DKW passou de 6 para 12 volts e os carros passaram a usar o mais eficiente alternador no lugar do dínamo. O diferencial ficou mais “longo”, passando a 4,7 k de redução, e com isso melhorou um pouco as velocidades máximas, sem alterar a aceleração. Foi o canto do cisne” e o melhor F94 já produzido no mundo.

Em dezembro de 1967 a Volkswagen encerrou a produção dos valentes DKW.
Ao todo, 115.009 unidades foram produzidas (de 1956 a 1967). Mas em 1968 ainda foram comercializados 3.514 carros que existiam no estoque...
 
CADASTRO DE VEMAGUET


Placas: AAA7395 – AAM6125 - ABX9141 - ACH2547 – ADQ6932 – AGJ8732 - AGY4953 – AHU5707 – AIH8509 – AIP3301 – AJE 3219 - AJE4426 – AJE9080 – AJI3910 - AKB4256 – AKC2757 – AKH6617 - AKV5031 – AKW1965 – ALM1967 – ARN1967 - ATE1964 - ATQ1480 - AVE1967 – BFC6195 – BGO2963 - BHJ0333 - BIB2306 – BIZ1962 – BKC9201 – BKP1840 – BKT7965 – BLI2189 - BLZ2266 – BNY0776 - BPX9847 – BRB6318 – BRI1964 – BSC9152 - BUN2845 - BVA8043 – BXL1203 - CBG1890 – CBJ4802 - CDK1631 – CEP5902 – CGH7933 – CGZ1965 – CEH4756 – CEP6494 - CHJ4450 - CIL0671 – CIW1961 – CKY1964 - CLZ 4084 - CNE0067 – CNP1693 – CNY1967 – COK1631 – COL1960 – CPZ1965 – CQT0421 – CQV7427 - CRP4968 – CRS9792 – CRV1964 - CRW4724 – CSP1966 – CSQ5539 - CVB9906 – CVE0963 - CVT1050 – CWL0614 - CXC1962 – CXC5062 – CXE6387 - CXI5551 – CXM6993 – CXR1357 - CYD0067 - CYF7969 – CYT8231 - CZG1956 – CZH1962 – CZI1463 - CZQ9612 – DAI1231 - DAW5437 – DBG1990 – DBG3431 – DCQ6445 - DCX9472 – DFJ2038 - DHF1234 - DJA1960 – DKD1967 – DKK1965 – DKQ7852 - DKW3392 – DKV1965 – DKW0670 – DKW0767 – DKW1333 – DKW1961 – DKW6961 - DKW6700 – DKW6767 – DKW7333 – DMD5821 – DSD1080 – EAS5663 - EDE1967 – EDU9847 – EDW1967 – EIX1964 – EWM2368 - FJP1962 – FKV1966 - FRM1959 - FXQ1961 – GBJ1966 – GCY1967 – GKK3415 – GKM2209 – GLD6188 - GLF1964 – GLQ4655 – GLX8107 – GNB4772 - GNN9531 – GNW1857 - GNX8865 – GOP1963 – GOX6651 – GPG8701 – GPL2240 - GPR5514 - GQB4311 - GRB1965 – GRG3799 – GRJ1957 – GRX7775 - GRX9189 – GRX9231 - GRY9180 – GRZ3498 - GSC7741 - GSG9467 – GSY5729 – GSY5915 - GTB7583 – GTK3053 - GTR1194 – GTX3053 - GUB5887 – GUF7782 - GVB1967 – GVI1965 – GVR3561 – GVS1110 – GVW5285 – GWC7462 – GWF1077 - GWH8797 – GWL4170 - GWL6988 - GWM7690 – GXC6552 – GXI6759 - GXJ2024 – GXP0043 – GZE9810 – HCA1958 – HFG1965 – HLD7561 – HMP1453 - HTC5828 – HVQ1967 – HWU9603 - HZH1961 – IBT1810 - IDB1831 – IDH2887 – IDI3390 - IDO8449 – IEC0791 – IEC2180 - IEI7684 – IES7810 – IFB1962 – IFE8730 - IFV7909 – IGR7908 – IHD0713 - IHE9965 – IHL 3366 - IHN4146 – IHU6183 – IHV5790 – IHV7548 – IIA6058 - IIC0924 – IIE6714 – IIF2756 - IIJ0106 - IIP0596 – IIP7604 – IIQ5441 – IIU9793 - IIW9123 – IJE3214 – IKF2353 - IMA1967 - IPX1966 - IRF0848 - JAO1961 - JAS1967 – JDP7820 – JDY 7028 - JEI1967 – JEK7843 – JFA8640 – JFD0833 – JFF5801 – JFJ 1228 - JFP1962 – JFQ2643 – JFS2285 - JGB3778 – JGP1963 – JIN1966 – JJV1967 - JKQ7919 – KBF8862 – KFK5977 – KPS0222 - KSB1188 – KSC1962 - KSV6431 – KTJ0391 – KTR2117 – KTT3830 - KUP5505 – KVA5598 – LDN4389 – LDR0869 – LDW3226 - LDW4958 - LEN8953 – LZS7638 - LZY9436 – MAE 1842 - MAE2441 – MAQ7184 – MAS1966 – MAW8572 – MBA8556 - MBD1965 – MBJ7526 - MBQ4837 – MIA5790 – MIJ2384 - MLV1965 – MTM9114


Total: 264 exemplares

Última atualização em 12 de junho de 2018.

DKW - VEMAG (PRODUÇÃO - 1957 a 1967)

No primeiro ano, 1957, foram apenas montadas camionetas Universal, vindas da Alemanha, as quais foram apresentadas ao mercado em novembro de 1956.

A partir de 1958 começaram a ser produzidos sedãs e camionetas com índice razoável de nacionalização. 

O ano de maior produção foi 1962,, com 15.544 exemplares entregues. 

O ano com maior variedade de modelos foi 1965, com 15.260 exemplares e 5 modelos diferentes (Belcar, Vemaguet, Fissore e as camionetas populares Caiçara, em final de produção, e Pracinha, recém lançada).

Ano
Sedã (Belcar)
Camioneta (Vemaguet)
TOTAL
1957

1166




1166
1958
2189
1642


1174

5005
1959
1773
2524


1968

6265
1960
3097
4446


248

7791
1961
4642
4695


1582

10919
1962
7123
7806


615

15544
1963
7541
6267
260

20

14088
1964
6291
4975
814


624
12704
1965
5519
3847
99
4938

857
15260
1966
6890
5392

1812

631
14725
1967
6007
5009



526
11542
TOTAL
51072
47769
1173
6750
5607
2638
115009

Há controvérsia quanto à produção do Fissore. O site do Clube DKW Vemag do Brasil e Paulo César Sandler (que escreveu o livro “DKW, a grande história da pequena maravilha”) ao longo de seu texto afirmam que teriam sido produzidos 2489 unidades, em vez do valor apresentado na tabela acima. Algumas fontes citam 2 Fissores entregues ainda em dezembro de 1963...

É interessante observar que nos anos de 1959 a 1962 a produção da Vemaguet foi superior à do Belcar. Se somada a produção da perua dos 2 primeiros anos e comparado esse número à produção do Belcar no 1º ano, seria possível afirmar que a produção da Vemaguet foi superior à do Belcar até 1962, quando a situação se inverteu e o sedã teve produção anual superior até o fechamento da fábrica, em 1967.

A produção do sedã e da camioneta apresentaram produções anuais crescentes até o ano de 1962, quando então variaram próximo aos valores máximos alcançados e começaram a cair. Cairam em parte por causa dos novos modelos colocados à disposição (os modelos populares, primeiro a Caiçara e depois a Pracinha, e o requintado Fissore) e em parte pelos motivos que levaram ao encerramento da produção.


Baseado em: http://pt.wikipedia.org/wiki/V

Encontrei na internet a imagem abaixo, do que seria a "releitura" da perua Vemaguet e do sedã Belcar. Achei bem interessantes os dois modelos...

Clique na imagem abaixo para ampliá-la: