segunda-feira, 24 de julho de 2017

OPALAS CONVERSÍVEIS (Parte 2) E CARAVAN 4 PORTAS

Em 13/09/2016 divulguei algumas fotos de Opalas conversíveis (acesse o HISTÓRICO do blog, no canto superior direito, 2016 - setembro).
Como todos sabem, o Chevrolet Opala foi produzido no Brasil somente nas versões sedan 4 portas, Cupê 2 portas e perua (Caravan) também com 2 portas. 
Houve versões esportivas para as três carrocerias, mas a GM nunca produziu uma versão conversível ou limousine do Opala, nem uma versão 4 portas para a Caravan - que seria o mais adequado. As raras unidades que aparecem em alguns encontros de carros antigos foram produzidas de forma artesanal.
Pesquisando aqui e ali, reuni mais uma série de Opalas Conversíveis, que compartilho com vocês (CLIQUEM NAS FOTOS PARA AMPLIÁ-LAS): 
 
Agora é a vez de mostrar alguns exemplares da Caravan 4 portas - que deveria ter sido produzida assim, e não com 2 portas apenas. Afinal, trata-se de um veículo com foco na família e dá trabalho ocupar ou sair do banco traseiro em um carro com apenas 2 portas.
Ao lado, foto de 1973 do protótipo da Caravan com 4 portas (o modelo definitivo, que estreou na linha 1975, infelizmente só saiu com  2 portas). Algumas concessionárias, entretanto, produziram unidades com 4 portas (usaram as do modelo sedan). Esteticamente ficou melhor que a perua Maverick, não acham? Confiram:

domingo, 9 de julho de 2017

FORD CORCEL - MODELOS PERSONALIZADOS

Em 12 de outubro de 2015 publiquei matéria sobre o Ford Corcel e seus derivados. 
Basta consultar o HISTÓRICO do blog (canto superior direito da página principal).
Recapitulando, o Renault Gordini foi produzido no Brasil, sob licença, pela Willys Overland do Brasil. Em 1968, a Ford descontinuou o pequeno sedan francês e no mesmo ano lançou o Corcel - que nada mais era que o projeto Renault 12 com adaptações ao gosto tupiniquim. Esteticamente nos saímos melhor que os franceses. O motor com 1300cc (68 cv) derivava do valente Ventoux usado pelo Gordini, mas ficava na dianteira e o radiador era selado para garantir uma refrigeração mais eficiente. Na foto acima, é curioso ver o Corcel "voando", como o Gordini havia feito anos antes. A questão é: o que aconteceu depois que os dois carros "pousaram"?

Enquanto os internautas refletem sobre a pergunta, que tal apreciar o efeito das lanternas sequenciais Forlon, que no começo da década de 70 eram cobiçados opcionais que deixavam a traseira do Corcel e de outros carros mais esportiva e moderna?
Ao pesquisar a internet e encontrar as fotos abaixo,   fico pensando "o que motiva algumas pessoas a gastar tempo e dinheiro produzidos essas aberrações"?
 
 
O Corcel II conversível (abaixo) até que pode ser considerado um carro atraente, principalmente se considerarmos que foram produzidos artesanalmente 30 anos atrás, quando ainda vigorava a proibição de se importar carros de passeio...
Para finalizar, uma interessante combinação da Belina com o Corcel Cupê resultaria no belo hatch abaixo (o Fiesta foi lançado para ocupar esse nicho em meados dos anos 90...)