segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

AERO WILLYS (1960 a 1962) - E CADASTRO NACIONAL

1ª geração: de 1960 a 1962
Em 1960 – um ano após o lançamento do sedan compacto Dauphine (produzido sob licença da Renault) – a Willys lançou no Brasil o AERO, um elegante sedan de 4 portas e tamanho médio-grande (nos EUA era considerado compacto).
Aqui ele quase recebeu o nome “BRASÍLIA”, mas quem acabou adotando esse nome foi a Volkswagen, no modelo hatch de 1973 - e que foi um sucesso de vendas.
Os modelos 1960 e 1961 tinham discretas pestanas nas molduras cromadas dos faróis (esse detalhe ficou mais acentuado no modelo 1963). Também havia um grosso friso cromado no centro da tampa do motor, com um ornamento em acrílico na extremidade (detalhe já fora de moda, mas ainda assim interessante naquele início de década).
O painel de instrumentos (abaixo) era todo metálico e sem forração. Nele havia um único instrumento, circular.
Abaixo: fechadura da tampa do porta-malas com grossa moldura cromada e friso lateral em formato de "Z". Era oferecida a opção de pintura em dois tons (saia-e-blusa). As rodas não tinhal janelas de ventilação e as calotas eram enormes, mas com desenho simples.
O Aero foi apresentado ao público brasileiro em 25 de março de 1960, com 60% das peças produzidas pela matriz norte-americana. Curiosamente, suas linhas arredondadas o assemelhavam ao Dauphine (projeto da Renault), mas ele derivava do modelo norteamericano Wing, com detalhes do modelo Custom - como a imensa grade cromada do motor, além de lanternas e frisos. Por isso ficou conhecido como “Aero-bolha”.
Pesava 1.440kg e usava o mesmo conjunto mecânico do Jipe Universal (motor de 6 cilindros em linha, de 2.638cm3, que desenvolvia 90 cavalos). 
A frente se destacava pela grossa grade cromada e a traseira tinha para-lamas com discreto rabo de peixe. As lanternas tinham grossa moldura cromada e na parte inferior havia uma lente incolor sugerindo a luz de ré, mas ele não oferecia esse recurso. O porta-malas era amplo, mas o estepe posicionado na vertical, no canto direito, roubava precioso espaço das bagagens.
As linhas arredondadas o assemelhavam ao outro sedan produzido pela Willys, o Dauphine, mas eles não tinham nenhum parentesco (o sedan menor era um legítimo Renault).
O espaço interno era generoso, podendo acomodar até 6 pessoas com conforto. Os bancos, com assentos altos, eram autênticos sofás, e ofereciam boa visibilidade para o motorista, que tinha à frente um volante cujas generosas dimensões “amenizavam” o peso da direção. Um detalhe interessante: os quebra-ventos das porta traseiras se abriam, para melhorar a ventilação interna.
O painel, todo metálico, era pintado e tinha apenas um instrumento (redondo) à frente do motorista. Ele agrupava velocímetro, termômetro do painel e marcador do nível de combustível, além do hodômetro e das luzes indicadoras do óleo e bateria.
O câmbio tinha 3 marchas à frente (1ª marcha não sincronizada) e a velocidade máxima alcançava modestos 120 km/h, indo de 0 a 100km/h em 17,8 segundos (consumo médio de 7 km/l). Segundo alguns, era uma espécie de “jipe de gravata”... 
A embreagem trepidava e os freios eram duros, sujeitos a falhas e com trajetória errática.
As suspensões eram firmes, mas o carro era instável.
Consta que em 1960 os engenheiros da Willys começaram a esboçar uma versão perua (que nunca existiu nos Estados Unidos), e que aqui se chamaria “CACIQUE”. O plano foi abandonado. 
Em 1961 apenas novas cores foram acrescentadas ao catálogo.
Em 1962 o modelo recebeu importantes mudanças que modernizaram o conjunto sem descaracterizá-lo.
Deixou de ser oferecida a opção de pintura em dois tons (saia-e-blusa) e novas cores foram introduzidas.
Além disso, o modelo ganhou novas rodas com janelas para ventilação, novo friso lateral (reto), nova fechadura na tampa do porta-malas, novas calotas, outra lente na luz de ré e detalhes interiores e exteriores.
O capô do motor ficou mais limpo sem o friso cromado e o ornamento acrílico.
As discretas pestanas das molduras cromadas dos faróis também sumiram.
O banco traseiro ficou mais baixo (para aumentar o espaço livre para a cabeça dos ocupantes) e o painel recebeu cinzeiro no alto.
Mecanicamente, novos freios “duo-servo” nas 4 rodas, e modificações no sistema de escapamento e do freio-de-mão, com índice de nacionalização atingindo 100%.
CADASTRO - AERO 1960 A 1962

Placas:


AAP 9010 – ABV 0754 - ACF 3961 - ACO 1965 – ADN 1589 – AEG 1961 – AEH3401 - AER0062 - AER 1611 - AEW 1961- AGW 1961 - AHH 3217 - AIS 1961 - AIT 5683 - AMY 0472 - ANO 1961 - BCF 1961 – BKN 6501 - BPG 4251 - BSU 9340 - BUK 3326 - BVX 7462 – CAX 7230 – CHJ6575 – CNB 4741 - CNG 1962 - CQA 2913 – CRD 1961 - CRR 6662 - CTI 1962 – CVZ 1961 - CWE 4804 - CXE 1660 - CXN 1962 - CYZ 1961 – CZV 3945 - DAL 1961 - DAZ 1960 - DAZ 8562 – DBE 0090 – DDF1903 - DEE 1962 – DEH 7990 - DMP 5708 – DPG1962 – DUF 1961 - DUZ 1962 – EEN 1962 – ERD 1961 - FHT 1962 - FZO 1961 – GCF 1961 - GNV 3155 - GKY 3188 – GLA 5104 - GLH 1962 - GLX 1962 – GNI 8900 - GNT 1962 - GPJ 1055 - GRG 6982 - GTA 5031 – GTR 2237 - GUV 9495 – GWM 5293 - GWO 7748 – GXG 2285 – GXJ 8650 – HDX 1960 - HDY 1960 - HIG 6937 - HOT 0296 - HSP 1962 - ICM 4838 – ICO 1960 – IDX 6126 - IEJ8993 - IEK4102 – IFC 0575 - IFT 1849 – IGR 2924 - IHL 5319 - IHL 5388 - IHS 1970 – III8736 - IIW 8141 - IIY 9692 - IJA 2940 - IJC 0988 - IJM 2657 – IKN2453 - ILO 1115 – INI 7517 - IOT 1961 – IUJ 7423 – IWO 1962 - JAL 1961 - JEI 0003 – JTP 5388 - KGH 7328 – KLV 1960 - KLV 1963 - KSK 0151 - KSQ 0105 – KSS 2911 - KSW 8891 – KTB 9572 - KTG 0669 - LDJ 8572 – LDK9419 - LDL 5255 – LDO 5802 – LDW 5580 - LHY 9516 - LIC 9524 - LJE 7554 - LJO 9839 – LQL 5060 - LVK 5687 - LXK 9593 - LXS 7017 - LZI 2699 - LZP 5588 - LZQ 8486 - LZS 1960 - MAR 1962 - MAW 1962 - MAZ 4624 - MCV 1560 – MUT 7358 - MZA 1962 - NFQ 6637 e NID 1962.

Total = 133 exemplares.

Última atualização em 15 de abril de 2018

sábado, 15 de fevereiro de 2014

AERO WILLYS - (1963 e 1964) - E CADASTRO NACIONAL


Ciente de que o sucesso do Aero se devia mais à "falta de opções no mercado" e ciente de que linhas arredondadas estavam fora de moda, no fim de 1962 a Willys Overland do Brasil reestilizou o modelo, que ganhou o sobrenome 2600
Uma jogada genial de marketing fez com que o Aero Willys 1963 estreasse no Salão do Automóvel de Paris, e o sucesso foi incontestável. 
Não custa lembrar que a nossa indústria automobilística nem havia completado a primeira década de existência! 

O novo Aero era, sem sombra de dúvida, bem mais moderno que o modelo do qual derivou. As linhas arredondadas dos modelos 1960/62 deram vez a traços retos e angulosos. Ainda assim, foram aproveitadas a plataforma, a parte inferior das 4 portas e as tampas arredondadas do motor e do porta-malas. 
O pára-brisa foi aumentado e os faróis receberam polêmicas “pestanas”. Os pára-lamas dianteiros e traseiros ficaram mais altos, com corte reto, e os vidros das portas ficaram mais retos, acompanhando a caída do novo teto. O novo teto, mais “retangular”, proporcionou mais espaço para as cabeças dos passageiros. 
A tampa do porta-malas era a mesma usada na geração anterior, e recebeu um novo puxador em formato de "W" (Willys). Mas, por ser mais baixa que os para-lamas traseiros, evidenciou um “rabo-de-peixe” que não era mais moda. Além disso, percebeu-se que os para-lamas traseiros ficaram muito curtos (dois anos mais tarde seriam "esticados").
O novo painel, acolchoado, tinha agora 3 instrumentos circulares. 
A qualidade do acabamento ficou sendo a melhor do Brasil até a extinção da marca. 
O motor recebeu 2 carburadores e novos coletores de admissão, ganhando 20 cavalos e elevando a sua potência para 110 cv. 

O projeto do Aero 1963 foi encabeçado pelo estilista brasileiro Roberto Araújo, mas as linhas se basearam no “modelo 1956 não lançado nos EUA”, que previa, inclusive, uma interessante versão perua. Abaixo, um esboço do que poderia ter sido o Aero Wagon (que poderia ter enfrentado com vantagem a única rival, a perua Simca Jangada).
 
 CADASTRO - AERO 1963 E 1964
Placas:


AAI 0979 – AAS2263 - ABF 3019 – AER 0964 – AER 1964 – AGF 6758 – AGT 9391 - AHY5103 - AJW 1964 – AKT 8604 – ANO 1964 – AVO 1963 - AWB 1964 – AWO 6363 - BAW 1963 – BER5779 - BGH 6077 – BIZ 1866 – BQI 1964 – BLI 8514 – CCA 3626 - CCQ 1963 – CED 1799 - CEP 5406 – CGC 6139 - CNP 8364 – CSM 1559 – CSR 0063 – CWJ 2521 - CYD 2368 – DBU 5964 – DEF 5452- DEH 3663 – DFL 1963 - DFV 1964 - DGB 1964 – EMA 3625 – FAB 1964 – FWV 1963 - GKK 0559 – GKV 1141 – GNO 7953 - GQD 0274 - GQJ 1963 – GQY 5823 – GRY 9149 – GSB 8670 – GSG 1963 - GUI 1630 – GXJ 1964 – GZF 3686 – HCF 3564 - HHF 1964 – HLX 2490 - HQY 9682 - HRA 6353 – HUG1963 – HVO 1963 - HYJ 1964 – HYQ 1963 - IBM 6485 – IEU 5233 – IEW 1619 - IEY 5826 – IFF 2787 – IFX 3990 – IGD 7365 - IHR 3014 - IID 6522 – IIJ 9934 - IJI 9263 - IMN 4142 – IMR 1964 – INB 7878 – IQH 8117 - IWS 1964 – IXR 3424 - KNY 3075 – KOL 0642 - KPM 1651 - KSP 8064 – KTD 1964 – LDL 2472 – LDO 7358 – LDP 6869 - LDP 7873 - LHL 6948 – LIB 5738 – LIH 1468 – LZL 4997 - LZN 3354 - LYY 9151 – MAI 1565 - MAZ 0484 – MCI 9967 – MQP 1967 - OQW3992.


Total = 97 exemplares

Última atualização em 15 de abril de 2018.