terça-feira, 1 de outubro de 2019

AERO WILLYS - (1963 e 1964) - E CADASTRO NACIONAL

Ciente de que o sucesso do Aero se devia mais à "falta de opções no mercado" e que linhas arredondadas já estavam fora de moda, no fim de 1962 a Willys Overland do Brasil reestilizou o modelo. A nova carroceria retilínea (acima) veio acompanhada do "sobrenome" 2600.
Uma jogada genial de marketing fez com que o Aero Willys 1963 estreasse no Salão do Automóvel de Paris, e o sucesso foi incontestável.
Não custa lembrar que a nossa indústria automobilística nem havia completado a primeira década de existência!
O novo Aero era, sem sombra de dúvida, bem mais moderno que o modelo do qual derivou. 
As linhas arredondadas dos modelos 1960/62 deram vez a traços retos e angulosos. 
Ainda assim, foram aproveitadas a plataforma, a parte inferior das 4 portas e as tampas arredondadas do motor e do porta-malas.
O pára-brisa foi aumentado e os faróis receberam polêmicas “pestanas” (vide na foto ao lado). 
Os pára-lamas dianteiros e traseiros ficaram mais altos, com corte reto, e os vidros das portas ficaram mais retos, acompanhando a caída do novo teto. O novo teto, mais “retangular”, proporcionou mais espaço para as cabeças dos passageiros.

A tampa do porta-malas ainda era a mesma usada na geração anterior (60 a 62), mas recebeu um novo puxador cromado em formato de "W" (Willys). 
Mas, pelo fato de a antiga tampa ser mais baixa que os novos para-lamas traseiros, o carro acabou ganhando um “rabo-de-peixe” que, infelizmente, não era mais moda nos anos 60. 
Além disso, os designers anotaram que os para-lamas traseiros tinham ficado muito "curtos" e, por este motivo, dois anos mais tarde seriam "esticados".
O novo painel, acolchoado, tinha agora 3 instrumentos circulares e ficou bem mais completo. A qualidade do acabamento evoluiu a ponto de se tornar a melhor do Brasil até a extinção da marca. O motor recebeu 2 carburadores e novos coletores de admissão, ganhando 20 cavalos e elevando a sua potência para 110 cv. O projeto do Aero 1963 foi encabeçado pelo estilista brasileiro Roberto Araújo, mas as linhas se basearam no “modelo 1956 não lançado nos EUA”, que previa, inclusive, uma interessante versão perua. 

Abaixo, um esboço do que poderia ter sido o Aero Willys Wagon (que poderia ter enfrentado - com vantagem - a única rival do seu porte, a perua Simca Jangada).


CADASTRO AERO - 1963 E 1964

Placas (cinzas ou pretas): AAI 0979 – AAS2263 - ABF 3019 – AER 0964 – AER 1964 – AGF 6758 – AGT 9391 – AHK 7923 - AHY5103 - AJW 1964 – AKT 8604 – ANU 1964 - AVO 1963 - AWB 1964 – AWO 6363 - BAW 1963 – BER5779 - BGH 6077 – BIZ 1866 – BQI 1964 – BLI 8514 – CCA 3626 - CCQ 1963 – CED 1799 - CEP 5406 – CGC 6139 - CNP 8364 – CSM 1559 – CSR 0063 – CTR 4802 - CWJ 2521 - CYD 2368 – DBU 5964 – DEF 5452- DEH 3663 – DFL 1963 - DFV 1964 - DGB 1964 – EMA 3625 – EPD 4579 - FAB 1964 – FWV 1963 - GKK 0559 – GKV 1141 – GNH 0326 - GNO 7953 - GQD 0274 - GQJ 1963 – GQY 5823 – GRY 9149 – GSB 8670 – GSG 1963 - GUI 1630 – GXJ 1964 – GZF 3686 – HCF 3564 - HHF 1964 – HLX 2490 - HQY 9682 - HRA 6353 – HUG1963 – HVO 1963 - HYJ 1964 – HYQ 1963 - IBM 6485 – IEU 5233 – IEW 1619 - IEY 5826 – IFC 8452 - IFF 2787 – IFX 3990 – IGD 7365 – IGJ 6886 - IHR 3014 - IID 6522 – IIJ 9934 - IJI 9263 - IMN 4142 – IMR 1964 – INB 7878 – IPN 9216 - IQH 8117 - IWS 1964 – IXR 3424 - KNY 3075 – KOL 0642 - KPM 1651 - KSP 8064 – KTD 1964 – LDL 2472 – LDO 7358 – LDP 6869 - LDP 7873 - LHL 6948 – LIB 5738 – LIH 1468 – LZL 4997 - LZN 3354 - LYY 9151 – MAI 1565 - MAZ 0484 – MCI 9967 – MQP 1967 - OQW3992.

Total: 104 exemplares

Última atualização em 26 de julho de 2022.

Nenhum comentário:

Postar um comentário